Colégio analisa a água do Rio Aricanduva

Colégio analisa a água do Rio Aricanduva

Alunos do Colégio Formosa integram o projeto de educação ambiental promovido pelo Conselho de Meio Ambiente da Prefeitura Regional Aricanduva.

O Conselho de Meio Ambiente (CADES) da Prefeitura Regional Aricanduva está desenvolvendo um projeto de educação ambiental intitulado “Córregos do Aricanduva”. A ação integra os alunos do Colégio Soter, Colégio Costa Aguiar, da Escola Santa Marina e do Colégio Formosa que analisam a qualidade das águas dos córregos Ipiranguinha, Tapera, Rapadura e do rio Aricanduva, respectivamente.

Estudado pelos alunos do Colégio Formosa sob a orientação das professoras Renata Martins e Renata Facini, o rio Aricanduva é responsável pela drenagem de uma bacia com cerca de 100 km² e abrange os bairros de Tatuapé, Vila Formosa, Carrão, São Mateus, Vila Matilde, Penha, Cidade Líder, Itaquera e Parque do Carmo. Com cerca de 20 km de extensão, o Aricanduva deságua no rio Tietê.

Desde setembro de 2016, as coletas da água do rio são realizadas mensalmente na Av. Aricanduva, n. 892. Os alunos são orientados a observar o mau cheiro e a presença de lixo, inclusive resíduos recicláveis, tanto em sua margem quanto em seu fluxo de água.

Até o momento, os estudantes puderam observar, entre outros resultados, grande quantidade de coliformes. Parte dessas bactérias normalmente habita o intestino de homens e animais, e são consideradas as principais indicadoras de contaminação fecal. Ao mesmo tempo, os alunos observaram elevadas concentrações de amônia, nitritos e nitratos na leitura dos testes, que são indicativos da presença de poluentes em grande escala.

Para Eduarda Rodrigues, aluna do 2° ano do Ensino Médio, “Quando pequenos aprendemos que não devemos jogar lixo na rua e sempre cuidar do meio ambiente, mas infelizmente, os adultos que são o maior exemplo para futuras gerações, não exercem essas simples funções para que tudo se mantenha limpo e sem odores. Ao iniciarmos este projeto, pude perceber que nossa conscientização em relação ao meio ambiente melhorou muito. Estamos analisando e sentindo de perto como está a situação do rio Aricanduva e como qual a solução para salvá-lo”.

Segundo Nicolas Carvalho, também aluno do 2° ano do Ensino Médio, “Esse projeto é importante e fundamental para ganhar mais consciência e conhecimento por aproximação da realidade e dessa forma poder, através de análises no laboratório, elaborar formas para melhorar a situação do rio”.

No mês de novembro ocorrerá o simpósio “Águas de São Paulo: Bacia do Rio Aricanduva”, onde os alunos terão a oportunidade de apresentar os resultados de doze meses de trabalho para a população e ao poder público, na forma de uma audiência pública repleta de apresentações de discussões voltadas aos recursos hídricos de São Paulo.

Reportagem: Da redação. Foto: Divulgação.

 

Nenhum Comentário