Cartas para redação

Cartas para redação

Segurança do bairro
O assalto que aconteceu dentro da lotérica do supermercado Sonda, na Avenida Conselheiro Carrão, só nos causa mais preocupação ainda. A Vila Carrão sempre foi um bairro tranquilo, sem esse tipo de ocorrência e hoje assistir uma notícia dessa na televisão me faz pensar sobre nossa segurança. Poxa, pagamos tantos impostos. Pra onde está indo esse dinheiro? Temos que cobrar muito mais dessas autoridades que só pensam em comprar Triplex, Sítio em Atibaia, Conta na Suíça… Vamos respeitar o povo brasileiro e honrar o voto que esse povo lhe dá! Chega de roubalheira! Cadeia neles! Milton Alves da Cruz, via e-mail.

Praça reformada
Fiquei muito feliz quando reformaram a Praça Armindo Mazaro, na Rua Dr. Cristiano Altenfelder Silva. Moro próximo do local e pensei: bacana, agora vou poder frequentar um local público com minha família. Pensei errado. E beeeem errado. Após 1 semana da reforma da Praça, os bancos estavam pixados, as balanças de madeira quebradas, o chão imundo, cheio de papel de salgadinhos, latas de refrigerante, cerveja, garrafas de bebida… A maior sujeira. O povo realmente merece ficar sem praça, parque, sem nada. Ninguém dá valor pra nada! Ninguém respeita nada! Não respeita o espaço do outro, não entende que o espaço público deve ser conservado. Olha, realmente estamos em decadência. A polícia devia prender esses maconheiros que frequentam estes locais. Infelizmente deixei de frequentar o local com minha família porque não vou dividir um espaço com esse tipo de marginal. José Farias, via portal SP Jornal.

Funk na Avenida
Sábado, dia 6 de fevereiro, não consegui dormir por conta de uma arruaça que alguns jovens estavam fazendo as 3h da manhã em um bar na Avenida Conselheiro Carrão, altura do número 1600. Cansada do barulho, liguei pra polícia, as viaturas vieram ao local e abordaram os rapazes. O som diminuiu e logo após a saída da viatura, vocês imaginam o que aconteceu. O som voltou mais alto ainda. Liguei novamente e a polícia, dessa vez, não veio até o local. Fui até o local tentar conversar amigavelmente com algum jovem consciente mas no local só haviam pessoas embriagadas, portanto, não houve conversa. Ainda bem que meu marido não estava em casa, pois neste dia ele foi cobrir a folga de um colega no trabalho (ele é segurança). Se ele estivesse aqui, alguma ocorrência teria acontecido, porque esses meninos não tem limites e não respeitam ninguém. Gisele Shciulz, via portal SP Jornal.

Sujeira na Av. Aricanduva
Moro na Av. Aricanduva altura do nº 3200 e não há um dia em que em minhas caminhadas não encontre um cocô de cachorro no meio da rua ou calçada. Ando com meu pet e levo comigo saquinho plástico para recolher suas fezes. O mínimo que se espera de um cidadão educado é que ele arque com as responsabilidades de seu animal de estimação. Levar para passear, vacinar, dar atenção, carinho e recolher sua sujeira são resposnabilidades básicas. Silveira Aníbal, por e-mail.

Nenhum Comentário