Copa do Mundo protagoniza aulas de economia criativa em colégio no Tatuapé

Copa do Mundo protagoniza aulas de economia criativa em colégio no Tatuapé

Copa do Mundo protagoniza aulas de economia criativa em colégio no Tatuapé
Projeto com alunos do período integral amplia o senso de colaboração e inibe a ideia de consumismo

A Copa do Mundo é assunto campeão junto à criançada. A “fome” pelo hexacampeonato movimenta o interesse dos pequenos brasileiros. Eles aguardam pela oportunidade de comemorar a vitória da seleção pela primeira vez em 16 anos.

A invasão verde e amarela, porém, dessa vez não é vista como um empecilho dentro da sala de aula. Hoje, a Copa do Mundo protagoniza as aulas e é utilizada como tema educativo no Colégio Mary Ward, no Tauapé. Lá, os alunos do integral iniciaram os estudos em economia criativa com base na pergunta: “Como ir à Copa do Mundo na Rússia utilizando a economia criativa?”.

A ideia é que os estudantes pensem em soluções diferentes e econômicas para ir à Rússia assistir aos jogos. “Eles surgem com ideias de ir à Rússia e oferecer serviços, como cortar grama dos estádios em troca de ingressos. Quando descobrem que é possível trocar a hospedagem por alguma habilidade, ficam surpresos”, afirma Alexandra Grassini, professora no Colégio.

Segundo Alexandra, o objetivo do projeto é fazer com que os alunos entendam as diversas possibilidades que a economia criativa pode proporcionar, trazendo soluções inéditas para problemas. “A economia criativa surge como uma inovação. Ela promove o desenvolvimento sustentável e humano, e não apenas o crescimento econômico. De acordo com o Sebrae, a economia criativa é o conjunto de negócios baseados no capital intelectual e cultural e na criatividade que gera valor econômico”, ressalta a professora.

Reportagem: Da redação. Foto: Divulgação.

Comentários