Dos ovos, a uma grande omelete

Dos ovos, a uma grande omelete

Ao longo dos quatro anos do mandato do ex-prefeito, nenhum vereador do PT ousou pronunciar em plenário a palavra ‘zeladoria’. Motivos para isso, claro, não faltavam. Ruas cheias de lixo, córregos em estado deplorável, bueiros entupidos, árvores caindo em efeito dominó, buracos ‘tapados’ com cones denunciavam: cuidar da cidade não era um ponto forte daquele que passamos a conhecer como ‘Malddad’.

Por isso, acho no mínimo curioso perceber como o comportamento desses parlamentares mudou. Hoje, entre elogios a pichações e distorções de ações efetivas para a cidade feitas pelo prefeito João Dória, os vereadores petistas revisitaram o verbete ‘zeladoria’ e passaram a usá-lo em suas falas em plenário em tom acusatório à atual administração.

Infelizmente (para eles), prestígio não se compra. Não bastasse a lavada de serem derrotados em primeiro turno na eleição municipal, os agora opositores ainda precisam lidar com o fato de, em pouco mais de meio ano de mandato, ver o prefeito despontar como forte nome na disputa à Presidência da República.

Restam-lhes os ataques sem fundamento, com palavras ou na forma de gestos agressivos, como o lamentável episódio dos ovos arremessados contra João Dória em Salvador.

Felizmente, temos no comando de São Paulo uma pessoa inteligente ao ponto de criar sua própria versão do ‘fazer do limão, uma limonada’. Ao fazer de dez mil ovos (doados por uma empresa) em uma grande omelete, a administração municipal alimentou cerca de cinco mil moradores de rua.

Qualquer parlamentar, de qualquer partido, gostaria de ver seu prefeito em tal condição. Sorte a do PSDB desfrutar desse privilégio.

Mario Covas Neto é vereador da cidade de São Paulo.

Nenhum Comentário