Espiritualidade pode influenciar tratamento de HIV

Espiritualidade pode influenciar tratamento de HIV

O impacto positivo da espiritualidade independe da teologia em questão. A pesquisadora sobre o papel da espiritualidade na saúde, Mary Baker Eddy, já no século XIX dizia que o homem tem a capacidade de se elevar “na força do Espírito para resistir a tudo o que é dessemelhante do bem”.

A recente pesquisa feita pelo Dr. Leandro Romani com soropositivos revela que pacientes mais conectados com a espiritualidade seguem melhor as orientações médicas. Confira abaixo a conversa com o Dr. Romani:

Como surgiu a ideia para sua pesquisa?
Surgiu da vontade de aproximar a ciência da espiritualidade. Admite-se que a espiritualidade funciona para doenças como depressão e que influencia diretamente em seguir ou não as orientações médicas. Os pacientes com HIV tomam muitos remédios e gostaríamos de saber se as pessoas que vivenciam mais a espiritualidade tem maior aderência ao tratamento antiretroviral.

Como foi realizada a pesquisa?
Foram avaliados 101 pacientes. Eles responderam diversas perguntas, inclusive o estado de saúde e o nível de espiritualidade. Os dados foram tabulados e analisados estatisticamente. A conclusão a que chegamos é que o grupo que adere melhor reza mais.

Sua religiosidade ajuda os pacientes?
Sim, facilita a conexão com a espiritualidade deles. A prática está calcada nas evidências de que se eu fortalecer a espiritualidade do paciente, ele ficará menos deprimido, menos ansioso e se cuidará mais. Devo oferecer-lhe o que está dentro do seu mundo. Vejo como ele vivencia a espiritualidade, e uso o caminho que ele me mostra.

Qual o dado que mais lhe chama a atenção?
64,2 % dos entrevistados consideram que suas crenças religiosas os ajudam a lidar com a doença, 36,8% acham que o médico deve considerar a sua religião ou crença espiritual durante o tratamento, mas só 16,8% teve esta necessidade atendida.

andrea_cabral

Andrea Cabral é advogada e jornalista. Atua como porta-voz da Ciência Cristã no Brasil e é colunista do portal SP Jornal.

E-mail: brazil@compub.org

Nenhum Comentário