Secretário dos transportes fala à Ajorleste

Secretário dos transportes fala à Ajorleste

Entrevista com secretário esclarece pontos importantes e mostra fragilidade na negociação com Corinthians.

*Essa entrevista com Jurandir Fernandes (Secretaria dos Transportes Metropolitanos) foi realizada pela Ajorleste (Associação dos Jornais e Revistas de Bairro da Zona Leste) e debate os importantes temas sobre o transporte na zona leste, cidade e grande São Paulo. 

**A entrevista foi realizada antes do governo ceder à pressão do Corinthians e seus dirigentes sobre o término dos horários dos jogos, ou seja, o secretário enfatizou que não haveria mudança do horário por parte da gestão pública cedendo aos interesses privados, porém, cedeu e voltou atrás em uma decisão mais focada ao interesse menor que é o futebol do que o interesse do trabalhador da cidade, além da saúde dos cofres públicos reduzindo gastos.

Na gestão do governador José Serra havia um projeto da Linha Branca, ligando o Tamanduateí à região do Tiquatira, quase que continuação da Linha Verde. Um projeto do Expresso ABC que correria simultaneamente à linha do trem existente ligando o ABC ao centro de São Paulo com paradas em quatro estações. Porque com a mudança de governo mudou os projetos e as prioridades do transporte sobre trilhos?’’

“A Linha Branca é a atual Linha 2, continuação da Verde. Porque havia uma complicação pois era assim: saindo do Tamanduateí indo lá para Tiquatira chamava-se Linha 15 Branca e o Monotrilho tinha o nome de Linha 2 Verde. Isso iria confundir as pessoas. Resolvemos manter o nome da extensão até o Tiquatira com a Linha 2 Verde e o Monotrilho ficou o com a denominação de Linha 15 Prata, que está em obras, muito acelerada, em toda a Anhaia Mello, Sapopemba, com destino à Cidade Tiradentes. A Linha 2 Verde que pararia em Tiquatira agora vai ganhar mais seis quilômetros e chegar a Guarulhos, próximo ao Shopping Internacional. A obra está com o edital na rua e não abrimos os envelopes por questões de recursos judiciais pelas empresas participantes. Não houve mudança de traçado. Aumentou a extensão da linha.

Sobre o Expresso ABC, recebemos proposta, que se chama: Manifestação de Interesse da Iniciativa Privada de fazer o Trem Regional até a Baixada Santista.  Teremos o Trem que vai para a Baixada, o Trem que vai para Campinas e o Trem que vai para Sorocaba. Esse Trem da Baixada ficou mais interessante do que o Expresso. Ele vai para a Baixada Santista, com paradas no ABC, em Santo André, provavelmente Mauá indo para Santos. Ele será o Trem Expresso, só que prolongado até a Baixada. A Linha 10, que teve uma melhora significativa com a integração no Metrô Tamanduateí, a Linha da Paulista, com conceito Bom e Ótimo pelos usuários.

Na ordem de prioridade, em primeiro o Trem de Campinas, que sai da Água Branca, passando por Jundiaí, indo para Campinas, e Americana pois é o eixo mais carregado do Brasil, o da Anhanguera Bandeirantes, que até 2020 estará saturada. Ali o trem é imprescindível. O Edital vai ser lançado esse ano. “Os outros dois, para Baixada e Sorocaba, no ano que vem”.

Segurança no Metrô e CPTM. O que está sendo feito para aumentar a segurança dos usuários e prevenir atos de vandalismo como de desligar energia etc?

“Embora tenha aumentado muito o número de viagens, que hoje chega a casa dos 8 milhões de pessoas por dia. Mesmo com o aumento de usuários os problemas foram reduzidos pois instalamos uma série de equipamentos, muitos investimentos, inclusive em muitos trens novos. Os trens novos, tanto do Metrô quanto da CPTM já vêm com câmeras instaladas dentro, somadas as câmeras das estações e qualquer ato de vandalismo ficará comprovado. Colocamos câmeras em pontos estratégicos na CPTM, inclusive com infravermelho para identificar imagens no escuro, inclusive em pátios com câmeras modernas semelhantes as que vemos em rodovias que podem ser manipuladas de acordo com o movimento. Os atos de vandalismo, de assédio, roubos, furtos e outros foram reduzidos drasticamente. A segurança patrimonial, dos usuários e do próprio sistema foi aumentada e os resultados são comprovados. Também contratamos mais pessoal, aumentando o efetivo em segurança, com isso a redução de atos de sabotagem”.

Como anda a Linha 15 que ligará a Vila Prudente à Cidade Tiradentes?

“Estaremos iniciando as visitas programadas agora no final de julho e início de agosto. Entre as estações de Vila Prudente e Oratório. Agora estamos em fase final de testes, onde foram colocados sacos de areia, etc. para simular a carga. A população vai poder conhecer, não somente o Monotrilho, as estações, com viagens entre as estações Oratório e Vila Prudente com as novidades do sistema monotrilho. A meta é começar as visitas programadas neste dia 26. Até setembro, visitas programadas aos sábados e domingos. Depois, operação comercial”.

Qual a diferença da tecnologia dos dois monotrilhos?

“O monotrilho ainda não está padronizado mundialmente. A exemplo das ferrovias que tinham várias bitolas, o monotrilho ainda não está padronizado. Agora que o mundo inteiro padronizou as bitolas de ferrovias, com 1435 mm. Temos 3 grandes fabricantes no mundo com engates diferentes. O fabricado pela Bombardier, que é o da Linha 15 Prata, o fabricado pela Scome, Linha 17 Ouro. Cada um com tecnologia diferente, embora semelhante. Não teremos problema pois os sistemas não se interligarão. Os monotrilhos vão alimentar os metrôs. O Metrô faz a rede mais pesada, sendo alimentado por monotrilho e ônibus”.

Como será feita a transferência (manobra) dos trens entre as linhas do monotrilho?

“Com um sistema denominado Treck suíte, que é assim: uma viga de concreto vai fazer o movimento mecânico, automatizado com motor, para promover a manobra dos trens. Chamamos de AMV, as mudanças de linha, que poderá ser vista nas visitas”.

Corredor São Mateus-Guarulhos. Quando começam as obras?

“Está previsto a contratação do projeto básico executivo, mas para o ano de 2015. Esse corredor vai ligar o ABC via São Mateus, utilizando a Jacu Pêssego, unindo aos corredores já existentes em Guarulhos, ao Terminal Cecap”.

Quantas estações do sistema de transportes sobre trilhos o Governo Alckmin ainda vai inaugurar nessa gestão?

“O que nós já entregamos de Metrô. Entregamos 4 estações da Linha 4 do Metrô, Linha Amarela: Butantã, Pinheiros, República e Luz. Estaremos em setembro entregando a Estação Fradique Coutinho. As estações de Vila Prudente e Oratório do Monotrilho e entregamos a Estação Adolfo Pinheiro, da Linha 5. Ao todo 8 estações. Mas o importante é o que vamos deixar de volume, em extensão e estações. Hoje o Metrô tem 75,4 km de linhas. O governo Alckmin está construindo 73,3 km de novas linhas, incluindo a Linha Laranja que já teve início com o grande canteiro de obras do Consórcio Linha 6. No total são seis obras simultâneas com 73,5 km de Metrô e 16,7 km de CPTM, em execução com 62 estações. 51 estações de metrô. O maior plano em execução da América Latina. Além disso, o Governo do Estado vai deixar um legado em expansão. Vai deixar contratado, obras num total de mais de 104 km de metrô, com 92 estações, com prazo para término.73,5 em obras e 31 para começar. Quando ficar pronto, teremos 180 km de Metrô e 300 km de CPTM”.

O ritmo de expansão da rede metroferroviávia é inédito, especialmente no Metrô: a segunda fase da Linha 4, Vila Sônia – Luz; Prolongamento da Linha 5, Largo 13 – Chácara Klabin; Monotrilho da Linha 15, Ipiranga – Cidade Tiradentes; Implantação do Monotrilho da Linha 17, Jabaquara – Aeroporto de Congonhas, Morumbi; Extensão da Linha 2 Verde entre Vila Prudente e Dutra (Guarulhos); Linha 6 Brasilândia-São Joaquim, iniciada agora; Linha 13 Jade, Engenheiro Goulart – Aeroporto de Cumbica; Extensão da Linha 9 entre Grajau e Varginha, além da Linha 18, Tamanduateí – São Bernardo.

Guaianases Mogi: Sobre a modernização?

“Três estação estão sendo reconstruídas: Poá, Ferraz e Suzano. A nova estação de Suzano será inaugurada ainda este ano e com isso o Expresso Leste vai até Suzano, não vai mais parar em Guaianases. Para quem vem de Mogi, Estudantes, Jundiapeba, quando chega em Guaianases é um sufoco para fazer integração. O pessoal de Mogi vai fazer a mudança em Suzano. Um dia o Expresso Leste vai direto até Mogi. Hoje já existe 24 horários que vem direto de Mogi, fora do horário de pico. Vai ter uma melhoria muito grande. No futuro, a Linha 12 vai até Suzano e quem quiser optar pode se transferir da Linha 11 para a 12 em Suzano, utilizando futuramente a Linha Jade entre outros destinos, como USP Leste etc. Haverá partidas em Guaianases, o que não prejudicará os usuários. Isso sem contar com os modernos trens novos que estão sendo colocados em operação. Nove trens estão sendo colocados. Seis já estão operando e três serão entregues em agosto”.

A linha 13, Jade iniciada em 20 de dezembro, ligará Engenheiro Goulart ao aeroporto de Cumbica, segundo cronograma funcionará a partir de quando?

“O prazo é para o final de 2015. Ela é uma linha bastante complicada com 12 quilômetros. 8 km elevados e 4 km na superfície, em plano. A demora para início da obra se deu pela legislação e necessidade de autorização de vários órgãos municipais, estaduais e federais, para se conseguir uma série de licenças ambientais e outras. A estação do Aeroporto ficou em um local mais bem localizado para a população de Guarulhos. Não somente aos usuários do aeroporto. Inclusive os novos terminais do aeroporto, com voos domésticos ficarão mais próximos”.

Portas nas estações. Quando serão colocadas das linhas Azul e Vermelha e quando se resolverá o problema da Vila Matilde?

“Em relação à Vila Matilde, o prejuízo é do projeto. Não pagamos nada e a discussão está na justiça entre a empresa brasileira que faliu e a empresa coreana, sócia no empreendimento. Se tiver a decisão a favor da empresa coreana, ela concluirá o serviço. Nas outras estações a adaptação vai ser feita em futuro, mas é um pouco complicada. O que estamos fazendo é colocar nas estações novas o sistema para garantir e aumentar a segurança dos usuários”.

O terreno junto ao Metrô Belém, porque não volta a ser opção de estacionamento?

“A Companhia do Metrô possui três áreas próximas à estação Belém e, atualmente, esses espaços estão locados à Cia Rossi e a Capital Park. As duas empresas estão avaliando que tipo de empreendimento vai instalar nestes locais. Recentemente, em uma delas, promoveram um feirão de veículos”.

Falou-se da abertura da Estação de Arthur Alvim da CPTM para dividir o fluxo de pessoas para a arena. Vai ser feito?

Jurandir – “Não está previsto, até porque o Trem tem uma função específica de trazer pessoas de longe. O Trem é constituído de 8 carros e é muito pesado, e para frear aquela massa é necessário cerca de 600 metros. O indicado para distância mínima de uma estação para outra é de 3 quilômetros, para manter uma velocidade. O certo é depois de Itaquera fazer as paradas no Tatuapé e no Brás. A gente está abrindo os portões de Itaquera e do Tatuapé depois das 22 horas”.

Jogo às 22 horas no Itaquerão. O que o Metrô a CPTM vai fazer para atender aos torcedores no retorno?

“Isso vai ter que ser revisto. A manutenção do sistema é imprescindível e necessita de tempo para execução. Para usufruir do sistema de trem e do Metrô o horário limite dos jogos, deveria ter início às 21h15. O jogo terminaria às 23h15. Daí daria tempo para todos torcedores utilizar o sistema com as interligações de Trem e de Metrô, com as outras linhas até chegar ao destino final. Não podemos mudar toda uma dinâmica de trabalho e operação para atender a interesse privado. O Metrô e a CPTM parando a meia noite, não significa que interrompeu a operação. Até desembarcar o último passageiro vai ser por volta de 00h45 ou 01h00. Atualmente temos por volta de 140 trens da CPTM e 160 do Metrô operando. Cada Trem, da CPTM mede cerca de 170 metros. Multiplica isso por 140, ultrapassa aos 23 quilômetros de comprimento. Imagina limpar tudo isso toda noite, em alguns casos tem até mesmo de lavar, jogar jato de água por vômito etc. Isso sem contar a manutenção dos trilhos e dos outros equipamentos de segurança e funcionamento. Alguns trens são limpos e tem a manutenção durante o dia, mas a maioria é nesse período, de meia noite às 4 horas. Não temos condições de parar a operação à uma hora da madrugada e voltar a operar às 4 horas. O pessoal do Corinthians já sabe. Têm conhecimento dos detalhes de operação”.

**A entrevista foi realizada antes do governo ceder à pressão do Corinthians e seus dirigentes sobre o término dos horários dos jogos, ou seja, o secretário enfatizou que não haveria mudança do horário por parte da gestão pública cedendo aos interesses privados, porém, cedeu e voltou atrás em uma decisão mais focada ao interesse menor que é o futebol do que o interesse do trabalhador da cidade, além da saúde dos cofres públicos reduzindo gastos.

Na atual gestão do prefeito Fernando Haddad a prefeitura já investiu algum recurso no Metrô, ou se voltou a estaca zero?

“Os recursos de Operação Urbana estão horando, mas não estão colocando recursos novos. Não está entrando dinheiro novo. A Linha 17, a Operação Urbana na Faria Lima está sendo cumprida. A prefeitura está com dificuldade de recursos financeiros. O que posso afirmar é que as relações estão sendo muito amistosas e a colaboração é mútua. Vou dar um exemplo da Linha da Brasilândia: as áreas públicas estão sendo cedidas com bastante agilidade, dentro da burocracia existente a Prefeitura está fazendo a sua parte a contento”.

Operação comercial do Monotrilho de Oratório e quando chega em São Mateus?

“Boa notícia! No final de setembro. Estamos correndo com as obras para dar todas as condições de operação. O que está ficando bonito é o trecho de ciclovia e de urbanização entre Oratório e Vila Prudente. A população, além do Monotrilho, fazendo integração sem pagar passagem no Metrô Vila Prudente, vai poder contar com bicicletário e uma ciclovia. Já foram instaladas as luminárias, os canteiros e estará pronto junto com as visitas programadas. A ciclovia e a urbanização é o Metrô que está fazendo. Em São Mateus, o início das operações é no final de 2015. Tivemos problema com um córrego junto ao local das futuras estações de Camilo Haddad e Jardim Planalto. Vamos ter que desviar o córrego na Avenida Anhaia Mello para poder construir as colunas”.

O que o secretário Jurandir Fernandes gostaria de enfatizar a população em geral e em especial da Zona Leste?

“O que acho que é necessário, muito, mais muito mesmo é desenvolver a Zona Leste. É criar empregos na Zona Leste para não ter dependência tão forte do transporte pendular, de ir e vir para o trabalho, para chegar ao centro. Eu acho que está acontecendo A Zona Leste está se desenvolvendo, transformando. E isso não é por causa da Copa, já vem de 10 anos para cá. Os investimentos O Poupatempo, os Shoppings Centers, as FATECs, ETECs, a USP Leste, agora o Itaquerão. O que está acontecendo também: mais bares, restaurantes, pequenos serviços, pousadas, pequenos hotéis e diversas se instalando. Tudo isso é uma nova Zonas Leste. Eu acredito que vocês têm um papel importantíssimo de ressaltar isso: a Zona Leste não é mais um dormitório. A Zona Leste é um local de geração de emprego. Uma coisa fantástica: a Zona Leste está ligada ao ABC, à Baixada Santista, a Guarulhos através do Rodoanel e da Jacu Pêssego. Agora com trecho Leste do Rodoanel Mário Covas, 37 quilômetros, que foi recentemente inaugurado, a região fica no centro do desenvolvimento.

A Zona Leste vai ter uma vida própria, independente. Se fosse um município seria o segundo maior em população do Brasil. Agora você pega o Shopping Aricanduva, o Shopping Tatuapé, tudo quilo lá é um grande monstro, econômico, independe do restante da cidade.

Eu sou apaixonado, sou muito fã da Zona Leste, pois ela deve ser citada como exemplo de uma realidade que deveria ser reproduzida para outras regiões da cidade: Sul, Norte, Noroeste. Não pode essa história de todo mundo querer vir para o centro trabalhar. Você não precisa viver assim: tem de ter vida própria. Eu sonho ver a Freguesia Ó ter uma explosão de geração de empregos, de desenvolvimento semelhante. Fiquei um pouco triste com a não conclusão do projeto da grande feira mundial Expo 2020, o que promoveria uma explosão de desenvolvimento para as zonas Norte, Noroeste: Pirituba, Perus, Piquerí, Freguesia, Itaberaba, Brasilândia, Cruz das Almas, Morro Grande, pegando até Caieiras.

É isso que faz uma cidade ter qualidade de vida. Não é só fazer mais Metrô, Monotrilho, como nós estamos fazendo, com um grande esforço. Para pensar: esse Metrô e esse Monotrilho não para as pessoas virem de lá para trabalhar aqui, mas se locomoverem entre si. Esse Monotrilho vai ligar a Cidade Tiradentes com o coração da Zona Leste também, com a região da Anhaia Mello. A ideia não é trazer a Zona Leste para dentro do centro de São Paulo, mas proporcionar que tenha ligação natural com opção de transporte rápido para todas as regiões da cidade, sem depender diariamente de locomoção em longo percurso.

O PIB da Zona Leste é maior do que muitos países, inclusive da América Latina. E hoje não se pode pensar em indústrias poluindo. Pode-se ter fábricas em bairros, sem qualquer tipo de poluição. O que é importante divulgar é que se façam prédios comerciais e não somente moradias. “A Zona Leste, a exemplo de todas as regiões da cidade não pode ter apenas empreendimentos e virar dormitório”, conclui o secretário.

Entrevista: Ajorleste. Foto: Mauro Borges Filho.

* e **. Grifos da redação.

Nenhum Comentário