Vídeo: Pensar, produzir e bombar!

Vídeo: Pensar, produzir e bombar!

O vídeo é uma ferramenta importantíssima de conexão com stakeholders.

Stakeholders é o termo em inglês que se dá a todos os públicos com os quais uma empresa pode se conectar por interesse, por exemplo: clientes, funcionários, prestadores de serviços, comunidade local, terceirizados etc.

As redes sociais ajudaram esta importante ferramenta a ocupar ainda mais espaço no processo de recepção e entendimento das mais variadas mensagens.

Sejam os resultados clipes, comerciais, vídeos institucionais, reportagens, takes, short vídeos, filmes ou curtas, o que importa é que os dois sentidos trabalhados juntos – audição e visão – geralmente são imbatíveis na capacidade da percepção de um conteúdo.

Basta observar a quantidade de youtubers que surgiram nos últimos anos como Felipe Castanhari, Whinderson Nunes, Felipe Neto, Kéfera Buchmann, entre tantos outros para ver o quanto vivemos uma revolução de mensagens, canais e opções.

Isso sem considerar os artistas de televisão que colocam seus programas já transmitidos à disposição para serem vistos a hora que as pessoas quiserem no youtube ou no facebook. Danilo Gentili e Fabio Porchat, por exemplo, utilizam desta convergência.

Muitos diziam que rádio, jornal e televisão morreriam com a chegada de outras mídias. Na verdade, com a chegada da internet, todos eles se potencializaram. A audiência de um canal se multiplicou com a internet e com o celular, assim como os vídeos e conteúdos que também foram mais propagados.

Quem não se lembra de algum cilpe, vídeo engraçado, pegadinha, situações adversas ou flagras de ações policiais e do cotidiano filmados por pessoas?

Um exemplo é o famoso clipe do sul-coreano Psy com o hit “Gangnam Style” que contou com 2,9 bilhões de visualizações. Ele foi ultrapassado pelo hit “See You Again” de Wiz Khalifa com 2,93 bilhões. Todos eles grandes produções e inteligentes em seus enredos.

Além dos famosos clipes e comerciais, as ações de publicidade também chamam a atenção dos consumidores. Basta lembrar da marca Heineken que simulou a reação de três homens que ganharam a exclusividade de assistir a final da Champions League em um bar regado a cerveja e muita curtição, porém, não sabiam que suas esposas tinham ganhado as passagens para assistir a final na Europa. Resultado: 3,6 milhões de visualizações e milhares de comentários positivos em todas as rodas de conversa e gerando buzz – repercussão.

Hoje, através da internet, vídeos com palestras motivacionais ou treinamentos para funcionários podem ser adquiridos , facilitando o processo de capacitação. Antes dessa facilidade era necessário que o palestrante fosse necessariamente ao vivo, no horário definido.

Isso sem falar nos vídeos com infográficos que são usados em redes sociais e até no ambiente do marketing político expondo números e resultados com persuasão. Basta lembrar como foi a campanha de Dilma Rousseff em 2014 que teve a arquitetura visual de sua propaganda voltada à infografia.

Construtoras também optam agora por vídeos com tour 360º interativo – que permite mostrar ambientes com controle de visualização a partir de um ponto fixo, onde o usuário pode navegar, através da internet, e experimentar o lugar de forma imersiva.

Um vídeo que tenha “pegada” comercial ou sobre qualquer serviço que seja, precisa ser sucinto. Hoje em dia o tempo e atenção são preciosos e quanto mais objetividade melhor.

O tempo e o conteúdo precisam ser pensados de acordo com a ocasião e contar com a sensibilidade dos produtores em relação ao público-alvo.

O que vai ditar o comportamento e o ritmo de um material audiovisual serão, sem dúvidas, a edição, os efeitos sonoros e o roteiro – estes sim elementos vitais que se bem elaborados impulsionam o conteúdo da maneira desejada.

Antonio Gelfusa Junior é sócio-diretor da Agência Pérgola.

Nenhum Comentário